sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Na escuta, câmbio - 185



Rodrigo do Cuca está promovendo, ainda que sem querer, uma fantástica mudança lá em casa.  Ele e Ciça, minha mais nova, sempre arrumam um tempinho pra almoçar com mamãe e Rodrigo carrega com ele seu inseparável iPad.

O animalzinho[1] tem feito a alegria da mamãe.  A danada circula nos facebooks da família, lê o Valente, se diverte.  Esta semana fiquei um tempo à tarde com ela e Rodrigo deixou o iPad conosco.  Fiquei fascinado com o jeito tímido com que ela arriscava passar páginas, meio que sem acreditar no que o aparelho era capaz   E curioso com a segurança com que ela já brigava comigo, dizendo que não era desse jeito que passa as páginas ou aumentava as fotos.
Por acaso, outro dia mesmo o Lu da Litro[2] colocou uma frase no grupo nosso de planejamento que me fez lembrar das aventuras de mamãe com o iPad.  Lu dizia que “o comportamento digital passa de filho para pai”

Já tinha sacado algo parecido que me permitia prever que as novas tecnologias iam passar de filhos para pais[3].  A gente estava em um shopping, as meninas bem pequenininhas entravam na escada rolante quase que de costas.  Pra mamãe, era um desafio que ela quase se desconfigurava toda, ao pisar na máquina.

Pensando bem, sorte dela que anda vendo estas revoluções todas e, devagarzinho, vai incorporando com a velocidade que lhe apraz[4].



[1] O iPad, não o Rodrigo ...

[2] Na verdade, o Lu é diretor de planejamento da Inovate.  Mas pra mim, é o Lu da Litro, a primeira agênciazinha revolucionária onde eu conheci ele.

[3] Eles nunca lêem o Manual de Instruções.  Simplesmente sabem...

[4] E a dificuldade que foi, descobrir que “que lhe aprouver” é uma flexão do verbo aprazer, com o sentido de causar prazer?  Era capaz de jurar que era alguma coisa do verbo aprouver, conjugando, no caso, “como lhe aprouve”.  Por isto que eu gosto de escrever com o Novo Aurélio no computador...





2 comentários:

Digo disse...

E o mais impressionante é a concentração dela... No dia que tem Ipad, quase não tem conversa...

PC disse...

Tomei duas broncas (- Não é assim não!) no dia que eu fiquei aí.
Você criou um monstro, Digo