terça-feira, 29 de junho de 2010

Réquiem - 89



Marcelo é doido comigo.
Quando o livro Asa de Papel foi publicado, autografou o meu assim: 
“Pra meu amigo, amigaço, que abriu meu coração me oferecendo o seu.
Marcelo”

Depois o livro foi publicado para a América Latina (o título ficou Ala de Papel), e Marcelo lascou uma dedicatória no meu que garantiu a ele a perda de qualquer chance, por mínima que fosse, de ser indicado pra Academia Portuñolesa de Letras:
“Pablito, no es uno mas pero, solamente, el mejor!
Su amigo de siempre
Marcelo

Até aí, tudo bem.  Mas na opinião do Diogo, meu filho, o que pegou mal foi “Meu amigo mais antigo” ter sido lançado no Dia dos Namorados.  Diz ele que Gêisa ia se roer de ciúmes...

Ainda assim, tudo bem.  O caldo entornou mesmo foi quando o lançamento do livro mereceu a capa do caderno de Cultura de um jornal daqui de BH.  O jornalista se derrete em merecidas loas pro Marcelo.  E lasca lá o que eu transcrevo abaixo:
“...
O novo livro, especialmente dedicado ao amigo dos tempos de faculdade, Paulo César, que está enfrentando problemas de saúde, Marcelo Xavier considera seu primeiro projeto francamente autobiográfico.
...”

Marcelo ficou tão sem graça que escondeu a matéria de mim enquanto pode.  Ficou parecendo que eu estava no leito de morte.  No dia que eu consegui comprar o jornal, ri muito da falta de graça dele.

Já ele, não achou a menor graça...


4 comentários:

vivi disse...

pelo menos isso fez com que vocÊ aparecesse no jornall!!!oega a chiquesa!!!!

super the flash

PC disse...

Você está parecendo carro, Vivi.
Totalflash total.
Mas eu quero distância do jornal, desse jeito.
Beijos.

Adriana disse...

Pois é, achei que aparecer no jornal desse jeito não é muito legal não...

Eu ficaria sem graça também. Coitado do Marcelo!

Beijos

PC disse...

Nem ver, Adriana.
Vê se ele ia me dedicar o livro por doença?
Sai fora...