quarta-feira, 10 de março de 2010

Prisão domiciliar - 51

Tem um negócio que eu morro de medo na vida. É que eu acho que Deus sendo bom e justo como eu sei que ele é, no dia do Juízo Final ele não vai ter coragem de deixar ninguém de fora. Vão chegar aqueles casos escabrosos e Ele vai acabar arrumando um jeito de perdoar e deixar todo mundo entrar. Vai ficar na porta, dando cocão na gente, por ter deixando ele preocupado com o jeito que nós andamos levando a vida.

Mas vai acabar pondo pra dentro.

Aí, Lúcifer, amuado num canto por não ter ficado com ninguém, vai acabar pedindo perdão e voltando pro lado bom.

Mas Rijane, minha linda, fala que a única coisa com a qual ele não vai ser tão condescendente assim é com ingratidão.

É isto que eu morro de medo...

Fico pensando nestas coisas quando eu perco a paciência com o zelo da Gêisa e dos meninos aqui de casa. É o tempo todo me monitorando, cadê você, onde você vai, que hora volta,...

Leco, meu oncologista, morre de rir. Diz ele que eu até lido bem com esta coisa. Pelo menos não brigo e levanto no meio da consulta e vou embora, como já devem ter feito com ele.

Outro dia Lisa estava saindo de casa. Pedi carona até a Savassi, porque eu tinha que resolver uma briga minha com a TIM e queria comprar um livro no Pátio. E ela, imediatamente:

- Mamãe já sabe? Você precisa MESMO ir lá?

Não, Lisa! Eu quero é pirulitar. Dar um perdido. Só isto, minha filha. Será que é tão difícil de entender assim?

Aí, outro dia eu estava conversando com Marcelo Xavier, meu anjo da guarda, que entende como ninguém de prisão domiciliar. A gente estava tomando um sorvete e eu, lamuriento que só. Marcelo arrematou:

- Sofre não, bobo. Foge. No começo seu povo vai ficar assustado. Mas na hora que você aparecer de novo, eles vão ficar na maior felicidade.

Marcelo é um sábio...

10 comentários:

Leo disse...

Verdade. ;-)

PC disse...

Pior, Leo, que agora de noite encontrei com um tio meu, com andador, 86 anos, reclamando assim:
- Eu não posso nem atravessar a rua...
Aí me deu o maior complexo de culpa. E a pergunta que não quer calar, martelando na minha cabeça:
Será que eu estou reclamando sem razão?

Adriana disse...

Estava tentando responder, mas tô com uma dúvida cruel se essa questão da fuga é uma coisa realmente legal/bacana.
Tenho que elaborar mais minhas idéias sobre isso...

Beijos

PC disse...

Depois do meu encontro com Tio Afonso, Adriana, eu também tenho que elaborar.
O cara, com 86 anos, faz tudo que eu queria fazer, achando que não está fazendo nada errado!
BTW, ele foge de vez em quando...

Fernando Almeida disse...

O tio Gilberto mostrou para minha mãe (Solange, caso você não se lembre de mim. Hahaha) hoje o seu blog. Quando percebi, já eram mais de meia noite e eu, sem sono, não parava de ler e rir com as histórias e causos dessa parceria sua com o Valente. Sensacional!

PC disse...

Brinca não, Nanando.
Eu estou sofrendo demais.
E se depender do Cuca, sofro mais ainda...
É o Valente quem me tira das enrascadas.
Volte sempre

Gil disse...

Veja bem, PC, 15 dias atrás me deram uma obra para executar na empresa onde trabalho - e eu com uma viagem marcada para Maceió, Recife, Olinda e Noronha... com Beré, que tinha uma palestra em Maceió. Que fizemos? Fugimos junto... e quando voltamos estavamos melhores e por incrível que pareça ninguém morreu por conta disso. Na volta leio seu blog escrito para mim (sem propósito)- obrigado! fugir é show!

PC disse...

Ando dando cada perdido em Dona Gêisa que você não acredita, Gil...

Emilia Osorio disse...

Foge para ca:
2727 Oxmoor Way
to te esperando, ah nao esquece de trazer um pao quentinho, o cafe eu faco. Hehehe
Te amo!

PC disse...

Vou, levando a camiseta do Valente pro Lucccca.
Prepara o café, Omília.
Beija todo mundo